Escola Biblica Dominical - 1º Trimestre 2017 - Lição Nr 03

domingo, 15 de janeiro de 2017

FILOSOFIA DE SÃO TOMÁS

FILOSOFIA DE SÃO TOMÁS

FILOSOFO OCULTO
Resultado de imagem para filosofia de santo tomas de aquino
Tomás de Aquino é indubitavelmente o maior teólogo da Igreja, e por isso mesmo, recebeu os títulos de Doutor Angélico, Doutor Comum, Doutor Universal. Embora sendo uma eminência teológica, esta não ofuscou a sua excelência filosófica. Muitas vezes a sua sabedoria filosófica é esquecida, pois é citado quase sempre, como emérito e incomparável teólogo, ficando oculta, a sua grandeza filosófica. Entretanto, as XXIV Teses escritas por ele, e denominadas de “Teses Tomistas” , são lembradas justamente para revelar a autêntica filosofia de São Tomás. E tanto é assim, que a filosofia do grande mestre e teólogo marcou um espaço definido, sendo considerada como uma legítima filosofia, denominada de “filosofia aristotélico-tomista”. Como afirmam os grandes Mestres, não se pode deixar de reconhecer que Tomás de Aquino seguiu as trilhas de Aristóteles, mas ele reformulou de tal modo e com tal sabedoria os ensinamentos do sábio grego, que arquitetou outra filosofia, a sua própria filosofia.
Basta considerar como ele com discernimento, soube introduzir naquela filosofia, os conceitos da criação das coisas por Deus, da temporalidade da matéria-prima, e também do próprio ser, conduzindo as idéias até as últimas consequências, bem mais distante do que aquilo que o Filósofo Grego apenas esboçara. É uma filosofia realista.
O Tomismo parte da realidade das coisas, não de idéias imaginadas, e delas, conclui todo um sistema coordenado por teses. Em outras palavras: o Tomismo se originou da percepção sensível do mundo, e depois tirou dela, no plano abstrativo da inteligência, um conjunto harmonioso de teses. O Papa Leão XIII, na Encíclica "Aeterni Patris”, descreve a filosofia de Tomás de Aquino: “O Doutor Angélico buscou as conclusões filosóficas nas razões principais das coisas, que têm grandíssima extensão e conserva em seu seio o germe de quase infinitas verdades, para serem desenvolvidas em tempo oportuno e com imensa quantidade de frutos pelos mestres dos tempos posteriores”.
“As razões principais das coisas”, é o ponto de partida da Filosofia Tomista. Das coisas que existem, percebidas pelos sentidos humanos, depois de conceituadas e analisadas pela inteligência, Tomás de Aquino eleva as considerações até as explicações últimas das mesmas. E é subindo das percepções mais primitivas das coisas, que São Tomás chega à certeza do Supremo Criador de todas as coisas. Caminhando pelas mudanças das coisas, da causalidade existente entre elas, da contingência, das perfeições, e da ordem harmoniosa das mesmas, ele caminhando por cinco vias, atinge a sublimidade, a suma perfeição, a existência de DEUS.
Tomás afirmava, que a verdade não tem dono, pertence a todos, é de todos, e acrescentava que: “toda verdade, dita por quem quer que seja, vem do ESPÍRITO SANTO”, e diante das diversas opiniões dos filósofos, ele dizia: “não olhes por quem são ditas, mas o que dizem”.
O Papa Paulo VI com felicidade descreveu a filosofia Tomista como aquela que abrange o Ser “Tanto no seu valor universal, como nas suas condições essenciais”. Ao que o Papa João Paulo II acrescentou dizendo em belos termos que: “esta filosofia poderia ser chamada filosofia da proclamação do Ser, um autêntico canto em honra daquilo que existe”.
Três Papas declararam que “A Igreja fez sua, a doutrina de São Tomás de Aquino”.
Por outro lado, como é compreensível, Tomás de Aquino não elaborou sozinho a sua filosofia, não a construiu extraída da sua genial inteligência, mas recebeu contribuição dos helênicos Platão e Aristóteles, dos israelitas Avicebron e Maimônides, dos árabes Avicena e Averróis, dos Padres da Igreja, sobretudo de Santo Agostinho, da metafísica implícita na Revelação, as quais estudou profundamente, e com o seu agudíssimo espírito iluminado pela Luz de DEUS, uniu a herança recebida de seus predecessores às suas contribuições pessoais, formulando a sua admirável Filosofia Tomista. A essência deste Realismo está condensada nas XXIV Teses Tomistas.
Pode ainda surgir à pergunta, por terem sido As XXIV Teses formuladas pela Igreja e por ela propostas, se a uma pessoa que confesse outro credo religioso diferente do católico, lhe serão aceitáveis as XXIV Teses de São Tomás de Aquino? Evidentemente teremos uma resposta positiva, porque essas teses limitam-se ao campo da filosofia formulada pela razão natural. Ademais, as que se referem à temporalidade do mundo, à imortalidade da alma, á dualidade corpo e alma, à doutrina da criação, embora sejam afirmadas na Revelação, poderão ser descobertas pela própria razão natural. As Teses se limitam, às filosofias que prescindem da teologia e das verdades religiosas, dos mistérios e dogmas da fé.

O PRIMEIRO ESCRITO
Resultado de imagem para filosofia de santo tomas de aquino
Tomás escreveu entre os anos de 1252 a 1253, quando ainda era jovem, um opúsculo: "O Ente e a Essência”. Nele, aborda questões metafísicas, explicando o percurso da consciência humana entre a sensação e a concepção. Ele afirmava: aquilo que cai imediatamente no alcance do saber humano é composto. O homem se eleva do composto ao simples, do posterior ao anterior. A essência existe no intelecto. A substância composta é matéria e forma. A forma e a matéria, quando tomadas em si, isoladamente, sem a preocupação do entendimento racional, são incognoscíveis, ou seja, não podem ser conhecidas, mas existem caminhos para a investigação das possibilidades. O intelecto quando está isento de pensamentos materiais, revela que nada pode ser mais perfeito do que aquilo que confere o ser humano. São Tomás é famoso por ter cristianizado Aristóteles, à semelhança do que fez Agostinho com Platão, ele transformou o pensamento daquele sábio num padrão aceitável pela Igreja Católica. Isto, apesar de Aristóteles não ter conhecido a revelação cristã, e de ser a sua obra original, autônoma e independente de dogmas, ela está em harmonia com o saber contido na Sagrada Escritura.
Tomás de Aquino afirmava que podemos conhecer DEUS pelos seus efeitos, porque ELE , o SENHOR, é o último numa escala evolutiva, e a causa de todas as coisas. Antes de DEUS vêm os Anjos, e antes desses, os homens. Ele comenta o gênero e a espécie, que pertencem à essência, pois “o todo” está no indivíduo. A essência tem dois modos, um modo dela própria, e o outro, nada é verdadeiramente dela, senão o que lhe cabe como ela própria. Por exemplo o homem, por ser homem, será sempre racional (isto é próprio do homem e de todos os seres humanos). Mas o branco e o preto não são noções exclusivas da humanidade, não são verdadeiramente dos humanos. (Isto porque, existem muitas raças e não somente homens brancos e pretos). A diferença da essência da substância compostas e simples é que a composta tem forma e matéria, e a simples é apenas forma. A inteligência possui potência e ato. Tomás de Aquino afirma que a essência de DEUS é o seu próprio Ser.
Suas obras teológicas têm muitos aspectos filosóficos. Por exemplo, recordemos a sua clássica afirmação, de que o homem possui uma capacidade, concedida por DEUS, de distinguir naturalmente o certo e o errado. Ele não tinha uma visão muito positiva da mulher, como Aristóteles, que dizia ser o homem mais ativo, criativo e doador de energia vital na concepção, enquanto a mulher é receptora e passiva. Mas aceitava a idéia do filósofo grego, acreditando que aqueles dizeres estavam de acordo com o que estava na Bíblia, no versículo do Gênesis, o qual afirma que a mulher derivou de uma costela do homem. Por outro lado, as Sagradas Escrituras ensinam como viver segundo a vontade de DEUS, e dela, Tomás exauriu os seus argumentos sobre a vida moral. Ele com inteligência e discernimento demonstra que não há conflito entre a fé e a razão. O conhecimento verdadeiro é uma adição que se acresce a inteligência para o objeto (que se estuda) ser bem compreendido. Apesar de DEUS ser a causa de tudo, ELE não age diretamente nos fatos (nos acontecimentos) de sua criação. Mas a Providência Divina existe e governa o mundo, pois ELE, o SENHOR, é absoluto e necessário a vida. Sem ELE, o mundo é vazio e a existência é efêmera. A felicidade do homem só pode ser encontrada NELE, na contemplação da Verdade e seguindo o Divino caminho.
A memória nasce pelo acúmulo de lembranças, e a lembrança nasce da experiência. Mas o homem se eleva ao raciocínio e produz a arte. A filosofia é um conhecimento das causas dos fenômenos. Assim a filosofia deve considerar o senso comum e tem um aspecto coincidente com a teologia: seu saber provém da Sabedoria Divina. A Sabedoria Divina deve ser cultivada através da fé, dizia Tomás, e isso é comum entre os teólogos. Ele distingue na natureza o ser real e o ser da razão. O ser real existe independente de qualquer consideração da razão. O ser da razão é aquele que apesar de existir em representação, não pode ser independente do pensamento de quem o concebe. Assim a lógica humana só existe no conceito, e não na realidade. Por outro lado, a alma é imortal, pois é imaterial, e tudo que é imaterial é imortal.
Na "Suma contra os Gentios” (os Gentios eram os pagãos e os maometanos), ele faz uma exposição completa da religião católica, identificando a verdade que existe nela. Essa Suma trata de DEUS e de Suas Obras, da fé no Mistério da SANTÍSSIMA TRINDADE, da Encarnação, dos Sacramentos e da Vida Eterna. DEUS é a verdade pura, sem falsidade, Vontade que existe em SI e para SI, e neste processo estende a Sua Divina Vontade para o que não é a Sua Essência. O que não é a Essência Divina, são as coisas criadas por DEUS, pois DEUS é tudo. Não tem ódio, não quer o mal, e suas entranhas dão Vida a um Amor Absoluto e Eterno, vibrante, caloroso e indestrutível.

PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS
Resultado de imagem para filosofia de santo tomas de aquino
Na "Suma Teológica”, que é a sua obra mais importante, ele estabelece as relações entre a ciência e a fé, e entre a filosofia e a teologia. Originando da revelação, a teologia é a ciência suprema, da qual a filosofia é serva ou auxiliar. À filosofia se desenvolve de conformidade com a razão, e por isso mesmo, lhe cabe demonstrar a existência e a natureza de DEUS.
Ele afirma que não podemos ter de DEUS, uma idéia clara e absolutamente distinta, porque nada existe na inteligência, que antes tenha estado nos sentidos humanos. Por exemplo, se sentimos a presença de uma pequena pomba, que nossos olhos vêem, nosso raciocínio recebe aquela informação dos sentidos e compreende que estamos vendo uma pequena pomba.
Assim, para provar a existência de DEUS, ele procede “posteriori”, partindo não da idéia de DEUS, mas dos efeitos por ele produzidos, formulando cinco argumentos, ou seja, propondo cinco vias:
1) O movimento existe e é uma evidência para os nossos sentidos; ora, tudo o que se move é acionado por um motor; se esse motor, por sua vez, é movido, precisará de uma força para impulsioná-lo, e, assim, indefinidamente, o que é impossível concebermos, se não houver um primeiro motor ou uma força geradora, que movimente aquele primeiro motor. E esta “força” existe, é a Vontade de DEUS.
2) Há uma série de diferentes causas que produzem variados efeitos, ao mesmo tempo; ora, não é possível produzir indefinidamente uma série de causas; logo, terá que haver uma causa primeira, não causada pelo homem, e que portanto,  provêm da força de DEUS.
3) Todos os seres são finitos e contingentes, pois não têm em si próprios a razão de sua existência - são e deixam de ser; ora, se são todos contingentes, em determinado tempo deixariam todos de ser e assim, nada existiria, o mundo ficaria vazio, o que é um absurdo; logo, os seres contingentes implicam na existência do ser necessário, que é DEUS, que tudo providencia.
4) Os seres finitos alcançam todos os determinados graus de perfeição, mas nenhum é a perfeição absoluta; logo, há um ser sumamente perfeito, causa de todas as perfeições, que é DEUS.
5) A ordem do mundo implica em que os seres tendam todos para um fim, não em virtude de um acaso, mas da inteligência que os dirige; logo, há um ser inteligente que os dirige; logo, há um ser inteligente que ordena a natureza e a encaminha para seu fim; esse ser inteligente é DEUS.
Complemento Racional: No mar e nos rios, existe uma quantidade notável de diferentes espécies de peixes, que se reproduzem por sua própria natureza. Como surgiram os primeiros peixes, aqueles que colocaram os primeiros ovos para que nascessem todos os outros na sequência da vida? Foi a Vontade Magnânima e Amorosa de Um DEUS Poderoso e Eterno quem colocou os primeiros peixes no rio e no mar.

HOMEM, ALMA E O CONHECIMENTO

Para Tomás de Aquino, o homem é corpo e alma inteligente, incorpórea (ou imaterial), e se encontra, no universo, entre os Anjos e os animais. Princípio vital, a alma é a parte do corpo organizado que tem a vida em plenitude.
Contestando o platonismo e a tese das idéias inatas, Tomás de Aquino observa que se a alma tivesse de todas as coisas um conhecimento inato, não poderia esquecê-lo, e, sendo natural que esteja unida a um corpo, não se explica porque seja o corpo a causa desse esquecimento.
Para Tomás, conhecer não é se lembrar, como pretendia Platão, mas extrair, por meio do intelecto, a forma e o conhecimento que se acha contida nos objetos sensíveis e particulares. Do conhecimento depende o apetite, ou o estimulo e desejo, a natural inclinação da alma pelo bem.
O homem, só pode desejar o que conhece, razão pela qual há duas espécies de apetites ou desejos: os sensíveis e os intelectuais. Os primeiros, são relativos aos objetos sensíveis, e produz as paixões, cuja raiz é o amor. Os segundos ou intelectuais, produzem a vontade, apetite da alma em relação a um bem que lhe é apresentado pela inteligência como tal.
Seguindo Aristóteles, Tomás de Aquino diz que: "para o homem, o bem supremo é a felicidade, que não consiste na riqueza, nem nas honrarias, nem no poder, e nem em nenhum bem criado, mas na contemplação do absoluto, ou na visão da essência Divina, realizável somente na outra vida, e com a graça de DEUS, pois excede as forças humanas".

Servos Especiais...

Resultado de imagem para servos especiais
Havendo nos salvado, Deus quer nos manter salvos. Paulo podia expressar confiança em "que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus"(Filipenses 1:6). E ainda ele podia alertar:  "Não destruas a obra de Deus por causa da comida" (Romanos 14:20). O trabalho de Deus em uma pessoa pode ser destruído. Quando negligenciamos os meios que Deus providenciou para o reforço dos laços entre nós e ele, seu trabalho em nós se interrompe. Ele deseja  completar seu trabalho e providenciou todos os meios necessários para nos unir mais e mais a ele.

Um destes meios é a irmandade numa congregação de discípulos. Outro consiste nos vários servos especiais com os quais Deus equipou a igreja. Paulo fala de tais ministros em Efésios 4:11-16 S

"E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado, até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo, para que não sejamos mais crianças, levados de um lado para o outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função" (do Novo Testamento, Nova Versão Internacional).

O reino de Cristo não tem senhores, mas apenas um, e este é o próprio Cristo. Cristo proveu sua igreja de servos, não de senhores (Mateus 20:25-28). Mas ele proveu todos os servos necessários para  equipar completamente os santos.

Primeiro ele proveu a igreja de apóstolos e profetas. Estes funcionaram como intermediários da  revelação que agora temos no Novo Testamento. A natureza desses ofícios foi tal que eles serviram ao seu propósito nos primeiros dias do cristianismo. Não há apóstolos e profetas na igreja de hoje. Mas ainda os apóstolos e profetas originais da igreja continuam a funcionar como tais, através da mensagem que eles nos deixaram no Novo Testamento. Assim como Abraão pôde dizer ao homem rico: "Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos" (Lucas 16:29), nós também temos os apóstolos e os profetas e podemos ouvir seu testemunho no Novo Testamento.

Outros destes servos especiais estão presentes nas igrejas de hoje. Temos evangelistas vivos, os mensageiros que trazem as boas novas de Cristo. Temos, também, pastores e mestres. As duas últimas palavras mostram dois lados do mesmo ofício. (Paulo não diz "e alguns, mestres"). Os presbíteros da congregação são tanto pastores ou supervisores como professores da palavra. Naturalmente, Cristo também proveu professores que não são presbíteros.

Todos estes servos especiais foram providos com um propósito:  preparar o povo de Deus para os trabalhos do serviço, ou seja, equipar os santos para o serviço. Em outras palavras, a intenção foi que estes servos especiais façam com que todos os santos sejam ministros. Quando discutimos a distinção entre clérigos e leigos poderíamos nos inclinar a dizer que a igreja não tem clero. Talvez devêssemos dizer que ela não tem leigos, pelo menos não tem de acordo com a intenção divina. Deus quer fazer ministros de todos os seus santos e proveu os meios de fazê-los.

Mas este trabalho de ministério tem um propósito. Ele visa a edificar o corpo de Cristo. Paulo volta a repetir este pensamento  no versículo 16, quando ele fala como o corpo se edifica a si mesmo. Aqui há edificação espiritual, e Deus pretende que ela seja executada através do ministério dos santos, uns para com os  outros.

A meta definitiva deste trabalho está dita no versículo 13: "Até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo" (NVI). Esta meta de unidade se identifica com a maturidade espiritual. As crianças têm que crescer para chegar ao amadurecimento e à unidade do entendimento. Quando esta meta for atingida, não seremos mais como crianças, à mercê de quaisquer doutrinas que apareçam, mas firmes e fortes em Cristo.

Não está claro que os ministros especiais, com os quais a igreja está equipada, são dádivas de Deus para reforçar os laços entre Deus e seu povo?

Este ponto pode ser visto especialmente quando o trabalho dos presbíteros é considerado. Paulo encarrega os presbíteros efésios inclusive do seguinte:

"Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a Igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue. Eu sei que,  depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervetidas para arrastar os discípulos atrás deles" (Atos 20:28-30).

Ainda: "Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles;  pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros" (Hebreus 13:17).

Não somente os presbíteros, mas de fato todos os ministros especiais que Deus deu à igreja são parte das providências para nos manter salvos.

Este conceito deveria ter uma influência poderosa sobre o pensamento tanto dos servidores como dos servidos. Se você é um destes servos especiais da igreja, um presbítero, um pregador, um professor, você precisa lembrar-se constantemente que você é uma dádiva de Deus à igreja, com o propósito de equipar os santos para o serviço. Você precisa fazer tudo o que puder para ter alguma coisa a dar à igreja. Não lhe foi dada uma posição especial só para alimentar sua vaidade. Você é uma dádiva de Deus à igreja, para o bem da igreja.

Este conceito deveria afetar também o pensamento dos santos sobre seus ministros especiais. O propósito de Deus para com você não pode ser efetivado se você não se interessa pelo que os ministros especiais podem prover. Poucos anos atrás, algumas pessoas estavam murmurando a respeito da "falta de pregadores". Meus contatos com igrejas me fizeram duvidar se algumas destas igrejas que estavam pedindo pregadores realmente necessitavam de  pregadores e se fariam o devido uso deles, se os tivessem. Todos os bons professores têm se sentido frustrados quando muitos daqueles que poderiam ser seus estudantes "não davam nada" pelo que eles lhes poderiam dar. Não sou um presbítero, mas sei que presbíteros devem freqüentemente sentir a mesma frustração quando eles têm tanta sabedoria, conselho e instrução para dar a pessoas que não as querem.


Deus providenciou meios abundantes para nos manter salvos. Que qualidade de pessoas somos quando ele oferece-nos uma dádiva e nos queixamos por ter que aceitá-la?

Anfípolis Cidade da Macedónia

 

Anfípolis era uma cidade grega na região habitada pelos adónios, hoje periferia da Macedónia Oriental e Trácia. Foi construída num planalto na margem oriental do rio Estrimão onde ele emerge do lago Cercinite, 3 metros acima do mar Egeu. Fundada em 437 a.C., a cidade foi enfim abandonada no século VIII d.C..

Vista do delta do rio Estrimão da acrópole de Anfípolis
Através do século V a.C., Atenas consolidou seu controle sobre a Trácia, que foi estrategicamente importante graças a seus materiais primários (o ouro e prata das colinas Pangaião e as densas florestas essenciais para construção naval), e as rotas marítimas vitais para provisões atenienses de cereais da Cítia. Após uma primeira tentativa malsucedida de colonização em 497 a.C. pelo tirano milésio Histieu, os atenienses fundaram uma primeira colónia em Ennea-Hodoi (Nove Caminhos) em 465 a.C., mas os primeiros dez mil colonizadores foram massacrados pelos trácios (Tucídides I, 100, 3). Uma segunda tentativa nasceu em 437 a.C. no mesmo lugar sob o comando de Hagnão, filho de Nícias.
O novo núcleo recebeu o nome de Anfípolis (literalmente, "ao redor da cidade"), um nome que é o sujeito de debates sobre lexicografia. Tucídides clama o nome vindo do fato que o rio flui "ao redor da cidade" em dois lados; contudo uma nota no Suda (também dado no léxico de Fócio) oferece uma explanação diferente aparentemente dada por Mársias, filho de Periandro: que uma grande proporção da população viveu "ao redor da cidade". Contudo, uma explanação mais provável é a dada por Júlio Pólux: que o nome indica a redondeza de um istmo. Depois, nasceu a seguinte definição: uma cidade dos atenienses ou da Trácia, que foi chamada Nove Caminhos, (tão nomeada) porque é envolvida pelo rio Estrimão. Esta descrição corresponde ao lugar atual da cidade (veja mapa adjacente), e à descrição de Tucídides. Anfípolis subsequentemente tornou-se a principal base de força dos atenienses na Trácia e, consequentemente, um alvo de cobiça para seus adversários espartanos. A população ateniense cresceu muito mais na minoria dentro da cidade (Thucydide, IV.105.1=4.105).

Anfípolis muralha da cidade com portão, 5 século aC
Apenas o norte do Mar Egeu sentou Anfípolis, uma cidade do nordeste da Macedónia. Era aproximadamente 30 milhas (45 km) ao sudoeste de Filipos e 5 milhas (8 km) para o interior da cidade portuária Eion. A cidade era mais conhecido por seu petróleo, madeira, vinho, figos, ouro, prata, e de lã têxteis. Trácios primeira fundada neste local, um militar estratégico e localização comercial, no século 5 aC.



Bizantino Basílica Mosaicos
O Serviço Arqueológico Grego escavou Anfípolis desde 1956. As inscrições, moedas, restos de um aqueduto romano, e túmulos clássicos e helenísticos estão entre os seus achados. As paredes, de ponte, e ginásio também foram bem preservadas. Cinco igrejas foram descobertas em que vários mosaicos do piso ainda podem ser vistos, muitas representações mostrando de aves.


Leão de Anfípolis, quarto século aC
O Leão de Anfípolis foi construído no 3 º ou 2 º século aC e pode ter homenageado Laomedon, companheiro de Alexandre, o Grande , que se tornou governador da Síria . Remontado em 1930, ele se senta na cidade hoje , tal como aconteceu quando Paulo veio para a cidade durante o século 1 dC . Paul veio por Anfípolis com Silas durante sua segunda viagem missionária, viajando na Via Ignatia de Filipos a Tessalónica (Atos 17: 1).

Rio Stremones

Anfípolis repousava sobre uma colina com terraço em uma curva do rio Stremones, o que drenada para o Lago Cercinitus . O rio cercado a cidade em três lados, enquanto um muro protegido lado oriental da cidade. A Via Ignatia, a principal leste-oeste estrada romana viajar da Ásia para a Itália, passou pela cidade ao longo de uma ponte sobre o Stremones no 1 º século dC. Woodpiles fossilizados restantes a partir da ponte podem ser vistos hoje.

Tumbas de Faraós Descobertas...

 Tumbas de Faraós Descobertas no Egito...


Um grupo de arqueólogos egípcios descobriu em Sakkara (sudoeste 
de Cairo) tumbas da época do faraó Ramsés II, que conteriam um sarcófago e fragmentos de uma múmia, informou nesta terça-feira (14) o Conselho Superior de Antigüidades Egípcias (CSAE).
O grupo da Faculdade de Arqueologia da Universidade do Cairo descobriu uma grande quantidade de sepulturas em fossas que datam da época de Ramsés II, que reinou entre 1279 e 1212 antes de Cristo, declarou o presidente do CSAE, Zahi Hawwas.

"O sarcófago talhado em pedra foi encontrado em uma fossa a 12 metros de profundidade", afirmou o chefe da missão, Ola al-Egueizi.
"Ela pertencia a Sekhmet Nefret, da 27ª dinastia (525-405 a.C.), mãe do sacerdote do culto de Mykerinos, rei da quinta dinastia (2494 a.C.) e fundador da terceira pirâmide de Gizeh", precisou Hawwas.
"O fato de seu filho ter sido chamado de 'sacerdote de Mykerinos', apesar da diferença de cerca de 2.000 anos entre a época de Sekhmet Nefret e o reino de Mykerinos, significa que os egípcios continuaram profetizando um culto ao rei muito depois de sua morte", adicionou Hawwas.
A fossa mede dois metros de comprimento por 1,5 metro de largura e possui várias cavidades, com profundidade que variam de sete a 30 metros.
"As sepulturas indicam que a tumba construída durante a 19ª dinastia também foi utilizada em épocas seguintes", assegurou Egueizi.
A parte inferior de uma múmia foi encontrada em uma das aberturas cavadas na rocha e destinada a colocar as múmias, disse o chefe da equipe de trabalho no terreno, Ahmed Said.
Fonte http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL88067-5603,00.html

sábado, 14 de janeiro de 2017

Colaboração Para a Obra Missionária


O principal objetivo desta vakinha é a arrecadação de fundos para aquisição de material de Evangelismo, biblias, seleções biblicas, gêneros alimentícios, roupas, material escolar e demais materiais para realização de obra missionária. Conto com você para ajudar a amenizar as dores da fome e outras necessidades de muitas pessoas, crianças e adultos.

Para colaborar com as atividades propostas e saber mais clique no link a seguir: 


http://www.vakinha.com.br/vaquinha/obra-missionaria-cde51687-494f-4575-b71f-1aaaa97d0e95




quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Entenda a Lista Mundial

Entenda a Lista Mundial

A pesquisa realizada para a produção da Lista Mundial da Perseguição é aplicada de novembro de 2015 a outubro de 2016. Assim, todos os dados relatados nesse conteúdo, bem como tendências e projeções são baseados neste período.
Para a Portas Abertas, a perseguição aos cristãos consiste em qualquer oposição vivenciada como resultado da identificação de uma pessoa com Cristo, incluindo palavras e atitudes hostis, dirigidas contra elas unicamente por causa de sua fé em Jesus. 

Perseguição x Liberdade religiosa
A perseguição aos cristãos ocorre quando:
- são negados os direitos à liberdade religiosa;
- a conversão ao cristianismo é proibida por conta de ameaças vindas do governo ou de outros grupos da sociedade; 
- são forçados a deixar suas casas ou empregos temerosos da violência que pode lhes sobrevir;
- são agredidos fisicamente ou mortos por causa de sua fé; 
- são presos, interrogados e, muitas vezes, torturados por se recusarem a negar Jesus.

Cristão perseguido 
De acordo com o Pew Research Center, quase 75% da população mundial vive em áreas com graves restrições religiosas. Para a Portas Abertas, a perseguição aos cristãos consiste em qualquer oposição vivenciada como resultado da identificação de uma pessoa com Cristo, incluindo palavras e atitudes hostis, dirigidas contra elas unicamente por causa de sua fé em Jesus. Hoje em dia são aproximadamente 215 milhões de cristãos perseguidos nos 50 países que compõem a Lista Mundial. 
Como o cristão é perseguido? 
A Lista Mundial da Perseguição mede a liberdade que um cristão tem para praticar sua fé nas cinco esferas de sua vida: na individualidade, na família, na comunidade, na nação e na igreja.

1. INDIVIDUALIDADE
A pessoa não é livre para escolher qual religião quer seguir, orar a Deus dentro de casa ou num lugar público, ter a Bíblia e outros livros cristãos para uso pessoal, etc.

2. FAMÍLIA
A perseguição vem por meio de pais, irmãos, tios, avós, primos e outros. O convertido é coibido de praticar sua fé em casa e enfrenta problemas em assuntos civis como casamento, enterro de familiares, herança e outros.

3. SOCIEDADE
O cristão sofre pressão por meio de atitudes preconceituosas, leis, casamento forçado, dificuldade de acessar recursos, pressão para renunciar a fé, discriminação no trabalho, intimações à delegacia, etc.

4. NAÇÃO
O cristão enfrenta oposição, pois não há leis que garantam liberdade de culto e prática da fé. É considerado crime a prática da evangelização e, em casos mais extremos, a conversão. Enfrenta problemas para tirar o passaporte, realizar reuniões dos cristãos, entre outros.

5. IGREJA
Quando há perseguição para realizar atividades comunitárias, como culto, reunião de oração, batismo, aula bíblica, entre outros. A opressão pode vir de diversos lados: dos vizinhos, do governo, da polícia. Também quando a comunidade cristã não tem acesso às Escrituras e a outros materiais religiosos.

Fonte de referência, estudos e pesquisa: http://www.portasabertas.org.br/listamundial/entenda

Classificação da Perseguição Religiosa 2016!

Classificação da Perseguição Religiosa 2016!
Classificação dos 50 Países com Perseguição Religiosa, onde seguir à Jesus pode custar a vida. Atualizado em 2016.

Noticias Gospel Mais...

Parceria

O Evangelho de Jesus Cristo, alçando o Mundo!

My Instram