Escola Biblica Dominical - 4º Trimestre 2016 - Lição Nr 10

sábado, 3 de dezembro de 2016

Filosofia Antiga

Resultado de imagem para filosofia antigaFilosofia Antiga corresponde ao período do surgimento da filosofia grega no século VII a.C. Ela surge da necessidade de explicar o mundo e encontrar respostas para a origem das coisas, dos fenômenos da natureza, da existência e da racionalidade humana. O termo filosofia é de origem grega e significa “amor ao saber”, ou seja, a busca pela sabedoria. De tal modo, no momento de sua origem os filósofos possuíam esse dom de interpretação, uma vez que eles acreditavam conseguir transmitir a mensagem dos deuses.
Por esse motivo, no início, a filosofia estava intimamente relacionada com a religião: mitos, crenças, etc. Assim, o pensamento mítico foi dando lugar ao pensamento racional, ou ainda, do mito ao logos.

Contexto Histórico: Resumo

A filosofia antiga surge com a substituição do saber mítico ao da razão e isso ocorreu com o surgimento da polis grega (cidade-estado). Com essa nova organização social e política pelo qual a Grécia passava foi fundamental para dar lugar a racionalidade humana e com isso, as reflexões dos filósofos. Mais tarde, as discussões que ocorriam em praça pública juntamente com o poder da palavra e da razão (logos) levaram a criação da democracia.

Períodos da Filosofia

Resultado de imagem para filosofia antiga
Lembre-se que a filosofia está dividida didaticamente em 4 períodos:

Filosofia Grega

A filosofia grega está dividida em três períodos:
  • Período Pré-socrático (séculos VII a V a.C.): corresponde ao período dos primeiros filósofos gregos que viveram antes de Sócrates. Os temas estão centrados na natureza, do qual se destaca o filósofo grego Tales de Mileto.
  • Período Socrático (século V a IV a.C.): também chamado de período clássico, nesse momento surge a democracia na Grécia Antiga. Seu maior representante foi o filósofo grego Sócrates que começa a pensar sobre o ser humano. Além dele, merecem destaque: Aristóteles e Platão.
  • Período Helenístico (século IV a.C. a VI d.C.): Além de temas relacionados com a natureza e o homem, nessa fase os estudos estão voltados para a realização humana por meio das virtudes e da busca da felicidade.
Saiba mais sobre os temas:

Principais Escolas Filosóficas da Filosofia Antiga

Agora que você já sabe os períodos em que está dividida, veja quais as principais escolas de pensamento da filosofia antiga:
  • Escola Jônica: reuniu os primeiros filósofos na cidade grega de Mileto, localizada na região da Jônia, no litoral ocidental da Ásia menor (atual Turquia). Além de Mileto, temos a cidade de Héfeso, com Heráclito como seu principal representante e Samos, com Pitágoras. Na cidade grega de Mileto destacam-se Tales de Mileto, Anaximandro e Anaxímenes.
  • Escola Itálica: foi desenvolvida na atual região do sul da Itália (na cidade de Elei) e da Sicília (nas cidades de Aeragas e Lentini). Destacam-se os filósofos Parmênides, Zenão, Empédocles e Górgias.

Principais Filósofos da Antiguidade

Veja abaixo os principais filósofos e os principais problemas filosóficos refletidos por eles:
  • Tales de Mileto (623-546 a.C.): filósofo pré-socrático considerado o “Pai da Filosofia” propõe que a água é a substância primordial da vida, denominada dearché. Para ele “Tudo é água”.
  • Anaximandro (610-547 a.C.): discípulo de Tales de Mileto, o filósofo procurou buscar o elemento fundamental de todas as coisas, denominando de ápeiron (o infinito e o indeterminado), que representaria a massa geradora da vida e do universo.
  • Anaxímenes (588-524 a.C.): discípulo de Anaximandro, para o filósofo a substância primordial que origina todas as coisas é o elemento ar.
  • Pitágoras de Samos (570-490 a.C.): segundo ele, a origem de todas as coisas estava intimamente relacionada com os números. Suas ideias foram essenciais para a filosofia e a matemática (Teorema de Pitágoras).
  • Heráclito (535-475 a.C.): filósofo pré-socrático que contribuiu com as reflexões da existência. Segundo ele, tudo está em processo de mudança e o fluxo constante da vida é impulsionado pelas forças opostas. Elegeu o fogo como elemento essencial da natureza.
  • Parmênides (510-470 a.C.): considerado um dos principais filósofos pré-socráticos, contribuiu para os estudos do ser (ontologia), da razão e da lógica. Em suas palavras: “O ser é e o não ser não é”.
  • Zenão de Eleia (488-430 a.C.): discípulo de Parmênides, de suas reflexões filosóficas destaca-se o “Paradoxo de Zenão”, no qual pretendia demonstrar que a noção de movimento era contraditória e inviável.
  • Empédocles (490-430 a.C.): por meio do pensamento racional o filósofo defendeu a existência dos quatro elementos naturais (ar, água, fogo e terra) que agiriam de maneira cíclica a partir de dois princípios: o amor e o ódio.
  • Demócrito (460-370 a.C.): foi criador do conceito de Atomismo. Segundo ele, a realidade era formada por partículas invisíveis e indivisíveis denominadas de átomos (matéria). Nas palavras do filósofo “Tudo o que existe no universo nasce do acaso ou da necessidade”.
  • Protágoras (480-410 a.C.): filósofo sofista e famoso por sua célebre frase “O homem é a medida de todas as coisas”. Contribuiu para as ideias associadas ao subjetivismo dos seres.
  • Górgias (487-380 a.C.): um dos maiores oradores da Grécia antiga, esse filósofo seguiu os estudos sobre o subjetivismo de Protágoras, o que o levou a um ceticismo absoluto.
  • Sócrates (469-399): um dos maiores filósofos da Grécia antiga, contribuiu para os estudos do ser e de sua essência. A filosofia socrática esteve pautada no autoconhecimento (“conhece-te a ti mesmo”), desenvolvida mediante diálogos críticos (a ironia e a maiêtica).
  • Platão (427-347 a.C.): discípulo de Sócrates, escreveu sobre as ideias de seu mestre. De suas reflexões filosóficas destaca-se a “Teoria das Ideias” que seria a passagem do mundo sensível (aparência) para o mundo das ideias (essência). O “mito da caverna” demostra essa dicotomia entre a ilusão e a realidade.
  • Aristóteles (384-322 a.C.): ao lado de Sócrates e Platão, foi um dos mais importantes filósofos da Antiguidade. Suas ideias são consideradas a base do pensamento lógico e científico. Escreveu diversas obras sobre a essência dos seres, a lógica, a política, a ética, as artes, a potência, etc.
  • Epicuro (324-271 a.C.): fundador do epicurismo, para o filósofo a vida deveria estar baseada no prazer. No entanto, diferente da corrente hedonista, o prazer epicurista seria racional e equilibrado. Se não fosse dessa maneira, o prazer poderia resultar na dor e no sofrimento.
  • Zenão de Cítio (336-263 a.C.): fundador do estoicismo, defendia a ideia de uma realidade racional, que ocorre por meio do dever da compreensão. Dessa forma, por meio da compreensão a realidade de que faz parte o homem e a natureza leva ao caminho da felicidade.
  • Pirro (365-275 a.C.): fundador do Pirronismo, defendia a ideia da incerteza em tudo que nos envolve, por meio de uma postura ceticista. Assim, nenhum conhecimento é seguro sendo a busca da verdade absoluta uma postura inútil.
  • Diógenes (413-327 a.C.): filósofo da corrente filosófica do cinismo, ele buscou defender uma postura anti-materialista se afastando de todos os bens materiais e focando no conhecimento de si.
VEJA TAMBÉM

Avaliação da Educação no Brasil

Crie seu próprio questionário de feedback de usuário

Classificação da Perseguição Religiosa 2016!

Classificação da Perseguição Religiosa 2016!
Classificação dos 50 Países com Perseguição Religiosa, onde seguir à Jesus pode custar a vida. Atualizado em 2016.

Noticias Gospel Mais...

Parceria

O Evangelho de Jesus Cristo, alçando o Mundo!

My Instram